• Home
  • Notícias
  • Negócios
  • InBrands nega preparação para recuperação judicial
InBrands nega preparação para recuperação judicial

Negócios

InBrands nega preparação para recuperação judicial

By Marta De Divitiis

18 de jun. de 2020

Por meio de um comunicado à CVM - Comissão de Valores Mobiliários - a InBrands, grupo de moda que conta com a Ellus, Richards e Alexandre Herchcovitch entre outras, negou as informações publicadas na mídia de que está se preparando para um eventual pedido de recuperação judicial.

A notícia foi divulgada hoje, dia 18, pelo jornal Estado de S. Paulo. Segundo a matéria, a companhia já teria contratado um escritório de advocacia para a realização da operação. Essa seria uma alternativa que a empresa estaria buscando para em meio à crise, agravada pelo fechamento de lojas devido à pandemia, de conter dívidas contraídas ( de aproximadamente 500 milhões de reais, segundo balanço realizado em fins de 2019).

O comunicado do grupo, assinado por Carlos Meloni, diretor administrativo e financeiro e de relação com investidores, data de 17 de junho diz que não procede a informação e que reforça seu compromisso de transparência e divulgação de informações sobre seus negócios e atividades aos seus acionistas e ao mercado.

Vale lembrar que outros grupos grandes também têm sofrido bastante e estão buscando alternativas nesse momento, em que dívidas são somadas à crise sanitária que obrigou o varejo a fechar lojas. Um dos casos diz respeito à Restoque, detentora de marcas como a Dudalina e a Le Lis Blanc, que está renegociando dívidas por meio de recuperação extrajudicial.

De acordo com Luciane Robic, diretora de marketing e programas de educação do IBModa - Instituto Brasileiro de Moda - quando um grupo de marcas de moda se forma, ao mesmo tempo que agrega a gestão de governança corporativa, normalmente se abstém de investir no conhecimento de gestão de marca que, no mercado de moda, é peculiar. “Propósito, entender o consumidor (que está vestindo uma segunda pele 24h), mercado que vende um imaginário diferente dos outros mercados; sinto que em grande parte dos casos, quando a marca é vendida, a identidade de seu criador vai sendo diluída e perde força de valor para o consumidor; as marcas passam a ficar muito parecidas e o grupo acaba criando um sistema único e não diferenciado para o posicionamento de marca. É extremamente importante que se traga esse conhecimento de gestão de marcas, inclusive para os novos desafios de expectativa de consumo que teremos a partir de agora, com revisão de valores ”conclui a especialista.