• Home
  • Notícias
  • Negócios
  • Período de Natal registra crescimento de vendas

Período de Natal registra crescimento de vendas

By Marta De Divitiis

29 de dez. de 2021

Negócios

Segundo nota divulgada pela Abrasce - Associação Brasileira de Shopping Centers - as vendas no período de Natal (19 a 25 de dezembro) apresentaram crescimento de 10,7 por cento nos shopping centers de todo o Brasil, em comparação com o mesmo período de 2020. Os dados têm como base o ICVA - Índice Cielo do Varejo Ampliado, utilizado pela entidade para acompanhar a evolução das vendas dos shoppings em datas comemorativas, contemplando desde pequenos lojistas a grandes varejistas. No período, o comércio nos shoppings movimentou 5,3 bilhões de reais.

Na avaliação do presidente da Abrasce, Glauco Humai, o cenário pandêmico é semelhante ao de 2020, do ponto de vista do funcionamento dos shoppings, pois nesse mesmo período do ano passado havia sido registrada redução do número de novos casos. No entanto, as pressões inflacionárias crescentes sobre o orçamento familiar e a deterioração do mercado de trabalho, prejudicaram a confiança dos consumidores, o que limitou a melhora das vendas no final de 2021.

“Mesmo em condições macroeconômicas adversas, ao longo do ano, o setor de shoppings centers mostrou uma retomada gradual, especialmente a partir do segundo semestre, com os avanços da vacinação e normalização das atividades possibilitando a maior mobilidade das pessoas. Esta recuperação de um dos setores mais prejudicados pela pandemia, denota a resiliência e a capacidade dos empreendedores em se reinventar e ultrapassar barreiras”, destaca no release de divulgação.

Pequenos e médios lojistas seguem otimistas apesar dos problemas

Para os pequenos e médios lojistas as vendas entre os dias primeiro e 24 de dezembro cresceram em média 2,63 percentuais, sem considerar a inflação, mas comparado ao mesmo período de 2019, de acordo com dados coletados pela Ablos - Associação Brasileira dos Lojistas Satélites. As vendas nas lojas físicas, em vestuário tiveram alta de 6,09 por cento, enquanto a de calçados caiu 2,86 percentuais.

“Houve um pequeno crescimento nas vendas deste Natal, mas se for aplicado na inflação não é um crescimento real. Tivemos mais um ano difícil para o comércio com falta de matéria prima, inflação pressionando preços, a elevação dos custos de ocupação das lojas e a correção do aluguel pelo IGP - índice Geral de Preços do Mercado - que nos últimos 24 meses teve alta de até 47 por cento nos contratos” declara Mauro Francis, presidente da Ablos.

Na enquete foi notado um leve crescimento das vendas no setor de vestuário das lojas físicas, em especial das marcas que atendem o público A e B, porém as lojas que atendem público C e D tiveram queda. “Mesmo com o resultado fraco e a preocupação de como manter seus negócios por conta dos altos custos, há um certo otimismo para o ano de 2022 entre os empresários, que declararam expectativa de crescimento entre maior parte dos associados, apesar de ainda entender que há muito a ser ajustado entre os empreendimentos e os pequenos e médios lojistas”, finaliza Francis.

Fotos: