Moda

45ª Casa de Criadores celebra sustentabilidade e diversidade

Encerrou-se a Casa de Criadores dia 8 de julho, na Praça das Artes, no Centro de São Paulo. O evento, tendo à frente o jornalista André Hidalgo, por meio de 34 desfiles celebrou a diversidade colocando em pauta a questão de gênero, da liberdade sexual e a necessidade de se repensar o consumo.

Se desde o início do evento, em 1996, o mérito de colocar novos talentos na passarela se confirma a cada edição, os mesmos problemas se repetem em cada temporada: locais com um entorno degradado, equipes de apoio um tanto despreparadas e um certo ar de improviso. Faz parte desse show.

Sustentabilidade e vida útil das roupas

Esta edição enfatizou a proposta de sustentabilidade já no desfile inicial da estreante Ahlma, cujo slogam foi “Vida Longa às Roupas”. Com curadoria de Dudu Bertholini, o desfile apresentou peças de brechó e bazares, as quais tiveram interferências com aplicações, estampas pintadas à mão e muito brilho, num arco-íris de tonalidades.

Outra marca, Brechó Replay, de Eduardo Costa, trouxe a coleção Emoticons, customizando peças antigas por meio de pinturas e aplicações em co-autoria com Bárbara Melo e Biro Leite. Bazares de igreja, brechós e um acervo próprio serviram de base à coleção, que buscou apresentar a cultura Emo sob um novo ponto de vista.

Saldos e retalhos

Jorge Feitosa homenageou seu pai com roupas masculinas trabalhadas em tecidos adquiridos em lojas de saldos. Tonalidades claras, estampas de facas estilizadas e bebês na passarela deram um tom poético.

A Re-Roupa, de Gabriela Mazepa, trouxe peças com espírito esportivo, feitas com retalhos e resíduos normalmente descartados, em patchworks e matelassê.

Vicente Perrota ressignificou roupas dando-as uma outra função. Por exemplo, malhas, camisas e camisetas foram transformadas em um vestido.

Espiritualidade e o universo dos caminhoneiros

Rober Dognani trouxe para a passarela toda a fé dos romeiros que viajam a Aparecida do Norte para visitar a Basílica de Nossa Senhora Aparecida. Assim, peças com golas imensas, de colchonetes, roupas com detalhes refletivos e corta-ventos estiveram presentes na passarela.

Ken-Gá homenageou Afrodite, uma caminhoneira transgênero, com símbolos de caminhões, franjas e filetes inspirados no folclore pernambucano. Vestidos de bolinhas de madeira como aquelas usadas nos assentos de motoristas, jaquetas e calças com recortes vazados, em tonalidades como o amarelo, roxo e branco deram o tom da coleção.

Modelagens amplas, alfaiataria e suavidade

A alfaiataria se mesclou com os esportes na coleção assinada por Igor Dadona em parceria com a marca francesa para skatistas Blaze. Rocio Canvas também trouxe a alfaiataria, mas de forma mais descontraída, molenga. As formas amplas se fizeram presentes em várias coleções como a D’Aura e Martins. As modelagens retas se materializaram na passarela de Renata Buzzo, com peças detalhadas por babados sinuosos. As mangas bem longas, que ultrapassam as mãos, foram recorrentes em David Lee e as sobreposições predominaram em Reptilia e Not Equal. A suavidade e fluidez veio com Weider Silverio, em belos vestidos e pantalonas, com detalhes plissados.

Desafio Sou de Algodão

Mateus Cardoso, da Faculdade Santa Marcelina, em São Paulo, foi o grande vencedor do concurso para estudantes de moda, ganhando 30 mil reais e participação nos desfiles da próxima edição da Casa de Criadores. Em segundo lugar ficou Dario Mittmann, da Universidade Estadual de Maringá, PR, e em terceiro, Rodrigo Evangelista, do IED – Istituto Europeu de Design, em SP. O segundo e terceiro colocados ganharam 150 metros de algodão das empresas parceiras do Movimento Sou de Algodão, patrocinador do concurso, que incentiva o uso da fibra por meio do consumo consciente da moda. O movimento é uma iniciativa da ABRAPA – Associação Brasileira dos Produtores de Algodão e do IBA – Instituto Brasileiro do Algodão.

Mais de 400 alunos de faculdades de moda de todo o Brasil se inscreveram no desafio, lançado na edição passada da Casa, dos quais 19 foram escolhidos para apresentar uma criação durante o evento. Desses, seis selecionados desfilaram coleções com dez modelos cada a um júri composto por jornalistas e estilistas, além da plateia.

Fotos: Marcelo Soubhia/FOTOSITE