Moda

Goiânia se destaca como polo atacadista de moda

by Marta De Divitiis
30 de out de 2019

Localizada no Centro-Oeste, a capital de Goiás, Goiânia, se tornou um polo atacadista de roupas. No estado todo há aproximadamente mais de 10 mil empresas de confecção e Goiânia conta com uma logística privilegiada por estar no coração do país (distante pouco mais de 200 km de Brasília.) Recebe turistas de compras vindos de várias partes do país e também de países vizinhos.

Uma das áreas mais famosas é a região da rua 44, no Setor Norte Ferroviário, onde se encontram um complexo de shoppings atacadistas e inúmeras lojas de rua. Segundo Jairo Gomes, presidente da Associação Empresarial da rua 44, a região conta com mais de 13 mil lojas de atacado, que também vendem no varejo e no chamado atacarejo (quem compra em quantidade maior para aproveitar o preço vantajoso). São mais de 20 mil pontos de venda, se somarmos as 7 mil bancas da Feira Hippie. "Atualmente, somos o maior pólo atacadista de moda do Centro-oeste e o segundo maior do Brasil. Reunimos mais de 120 empreendimentos, entre shoppings, galerias e hotéis, que estão concentrados em oito ruas, mais duas avenidas da Região Central de Goiânia,” explica Gomes.

A região recebe em média, somente nos finais de semana, entre 40 e 50 mil turistas de acordo com o presidente da Associação Empresarial. Por mês são mais de 260 ônibus que chegam a cidade. 51,8 por cento desses compradores vêm da região Centro-Oeste; 22,8 percentuais do Sudeste (especialmente interior de SP e MG), 17,8 por cento do Norte, 6,5 percentuais do Nordeste, e 1,3 por cento do Sul. O ticket médio (valor gasto por pessoa em três dias) dos turistas de compra que visitam a região gira em cerca de 5 e 8 mil reais. A movimentação financeira é de aproximadamente 700 milhões de reais por mês. “Esse movimento se intensifica ainda mais nos três últimos meses do ano. Em outubro, novembro e dezembro de 2018, por exemplo, foram aproximadamente 5 milhões de visitantes,” complementa o executivo.

A região da rua 44 gera mais de 150 mil empregos diretos e está passando por uma ampla revitalização. Recentemente, por meio do Arranjo Produtivo Local Moda Goiânia (APL Moda Goiânia) tem recebido vários incentivos legais para um crescimento de forma ordenada e com segurança jurídica, de acordo com o presidente da entidade.

Mesmo com a crise econômica que abateu o Brasil, a área persevera no empreendedorismo. "Costumo dizer que se a crise de fato passou pela 44, ela veio, fez suas compras e foi embora. Atribuo esse sucesso da região, mesmo neste momento de crise, à forte vocação empreendedora que temos. São milhares de pequenos lojistas e confeccionistas que trabalham diuturnamente para produzir moda de qualidade para o Brasil todo,” conclui Jairo Gomes.

*

Grupo Mega Moda conta com shoppings e projeto de profissionalização

*

Entre os empreendimentos da região há o Grupo Mega Moda, formado pelo Mega Moda Shopping; Mega Moda Park; Mini Moda (dedicado ao público infanto-juvenil); Clube de Costura (projeto institucional com foco em profissionalizar e desenvolver a moda); Praça da Moda e Mega Moda Hotel. Juntos, Mega Moda Shopping e Mega Moda Park somam mais de 1.800 lojas, e atendem aos segmentos feminino, masculino, infanto-juvenil, plus size, fitness, moda praia, festa, além de calçados e acessórios. O Mega Moda Park, inaugurado em 2018, está sendo construído em etapas com um investimento de 200 milhões de reais - hoje tem 460 lojas e há a previsão de abertura de mais 350 em 2020. Entre as novidades há vagas subterrâneas para ônibus e está prevista a construção de duas torres - uma comercial e outra residencial - um telhado verde e fotovoltaico.

De acordo com Carlos Luciano Ribeiro, CEO do Mega Moda, nos últimos anos, o Centro-Oeste vem aumentando sua força no segmento de confecção e distribuição. "No entanto, para alcançar o principal posto do Brasil, tanto na distribuição quanto confecção, é preciso haver uma ação integrada, em várias frentes, desde a capacitação de mão de obra para produção até distribuição. Para incentivar esta alavanca o Grupo Mega Moda participa do Projeto Goiás na Moda, que conta com o apoio do Codese - Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Goiânia e Região Metropolitana; Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas; Senai - Serviço Nacional da Indústria; OCB - Organização das Cooperativas do Brasil e do Governo de Goiás,”explica. Segundo o executivo a interiorização da produção é outro ponto fundamental para que o estado ganhe força e competitividade. Atualmente, segundo ele, algumas cidades já são referência em produção, como jeans em Jaraguá e Itumbiara; Pontalina com moda íntima e Trindade com modinha (moda que segue tendências momentâneas), entre outras.

Fotos: Alex Malheiros (Região da rua 44) e cortesia Grupo Mega Moda