• Home
  • Notícias
  • Moda
  • Lingerie retoma crescimento de vendas

Moda

Lingerie retoma crescimento de vendas

By Marta De Divitiis

18 de set. de 2020

É inegável que a pandemia e o consequente isolamento social trouxe inúmeros prejuízos para o mercado de moda. Com as lojas físicas fechadas houve a necessidade urgente de se adequar a um novo estilo de consumo, agora digital. Ao mesmo tempo, as indústrias tiveram que se adaptar a todo um protocolo sanitário, para evitar a disseminação do coronavírus. Assim, o que se viu foi um encolhimento do mercado. Adriana Morasco, vice-presidente da The Lycra Company na América do Sul, estima que o setor têxtil, de março a agosto, encolheu 20 por cento. No entanto, já no início do segundo semestre esse quadro tende a se reverter, embora de forma gradual. "Temos alguns clientes que estão com a carteira de pedidos e vendas acima dos 80 por cento e só não produzem mais porque precisam manter seus colaboradores em distanciamento social,”diz a executiva.

No segmento de Lingerie, que ao lado de moda praia é um dos maiores clientes da multinacional, o que se observou foi que depois de uma paralisação nos meses de março e abril, a partir de maio a situação se reverteu. “Depois do susto da queda das vendas em abril, em maio apresentamos um crescimento de 49 por cento das vendas em relação ao mesmo período de 2019,”disse Viviane Figueroa, superintendente de marketing da DeMillus. Para Idaiane Ricardi, coordenadora de marketing da 2Rios, a partir de julho as vendas dispararam. “Estamos com prazo de entrega somente para o mês de novembro,”explica.

Dos básicos e confortáveis aos sensuais

No início da pandemia a linha Loungewear, de pijamas e peças que migram da cama para a sala e até mesmo o escritório residencial, foram as peças mais vendidas. Sandra Chayo, diretora de marketing e estilo da Hope explica que essa linha teve durante o período de março a agosto um crescimento de vendas da ordem de 400 por cento. Cairo Benevides, CEO da Liebe Lingerie, não mensurou exatamente, mas cita também o sucesso desse tipo de linha, que teve bom resultado de vendas. “As pessoas estavam buscando segurança, conforto e peças multifuncionais, como é o caso desse estilo,” explica o executivo.

"Depois de vender peças mais confortáveis e básicas começamos a perceber um aumento nas vendas de peças mais sensuais, principalmente calcinhas fio dental”, explica Sandra da Hope. Essa questão é confirmada por Viviane, da DeMillus, que cita também a venda de camisolas mais sexy e das calcinhas fio-dental entre as campeãs de desempenho.

Lingerie funcional

Durante esse período outro aspecto interessante foi que algumas marcas se voltaram para o lançamento de peças mais funcionais. Idaiane, da 2Rios citou a estreia, em junho, de um kit de calcinhas com tecnologia de proteção permanente, que evitam o crescimento de microorganismos, fungos e bactérias, são antiodor e hipoalergênicas, batizada de linha Corpussano.

Já a Hope, de acordo com Sandra, lançou no mês seguinte a Hope Flow, uma coleção de calcinhas absorventes, confortáveis, que substituem os absorventes descartáveis, evitando a poluição ambiental e prevenindo alergias de pele.

Consumidor mais consciente

Todos os entrevistados citaram a consciência do consumidor, que agora está fazendo compras mais assertivas. “Notei inclusive um resgate a compras mais locais, no sentido de apoiar microempreendedores e também para fomentar a união nesse momento delicado,” fala Benevides, da Liebe. Viviane cita um novo hábito de compras, por meio de revendedores e do e-commerce. Quanto a essa questão, as empresas tiveram que se movimentar rapidamente para a nova situação. “Em menos de 30 dias colocamos no ar um app onde nossas consumidoras podiam comprar numa loja próxima e receber a compra em casa,” explica Sandra da Hope.

“As mulheres, mesmo antes da pandemia, mas especialmente agora, buscam não somente o conforto, mas produtos sustentáveis”, diz Idaiane da 2Rios. De acordo com a coordenadora de marketing a empresa criou um grupo de trabalho que tem por função desenvolver inovações."O consumidor está olhando as ações dentro das empresas, eles procuram algo mais humanizado e consciente,” conclui.

Fotos: Cortesia Liebe, Hope e 2Rios