• Home
  • Notícias
  • Varejo
  • Pesquisa faz um raio X do consumidor de moda e acessórios na pandemia

Varejo

Pesquisa faz um raio X do consumidor de moda e acessórios na pandemia

By Marta De Divitiis

25 de fev. de 2021

Pesquisa realizada pela Opinion Box, empresa de tecnologia, pesquisa de mercado e experiência de consumidor, aponta o grande impacto que a pandemia causou na indústria de moda e acessórios. Ao mesmo tempo, a mesma pesquisa revelou as varejistas de moda mais consideradas pelo público consumidor.

O estudo contou com um amplo espectro de consumidores, de todas as regiões brasileiras, com predominância do Sudeste (51 por cento dos entrevistados) e Nordeste (23 por cento) brasileiros. 48 por cento dos pesquisados foram homens e 52 percentuais de mulheres.

Um dos resultados apontados foi que 43 por cento dos consumidores estão comprando menos roupas e acessórios que há um ano e somente 24 por cento pensam que voltarão a comprar mais do que estão comprando agora, daqui um ano.

Lojas Físicas e Online

As compras de roupas e acessórios foram realizadas por 69 por cento das pessoas em lojas físicas e online. 5 percentuais adquiriram peças de moda somente via online, sendo que destes, 29 por cento começaram essa prática há um ano.

Entre as pessoas que compraram somente online, 71 por cento já tinham realizado compras antes da pandemia e 29 por cento há menos de um ano. Preço atraente e qualidade das peças foram as razões pelas quais as pessoas mais compraram.

Marcas mais lembradas e mais queridas pelos consumidores

O estudo selecionou as principais varejistas de moda presentes no Brasil: C&A; Renner; Riachuelo; Marisa; Hering; Pernambucanas e Havan. Entre as marcas mais lembradas pelo público consumidor estão em primeiro lugar a Renner (com 21 por cento), seguida pela C&A (com 17 percentuais), Riachuelo (cm 12 por cento); Marisa (com 9 percentuais) e, por fim as Pernambucanas (com 2 por cento).

Já as marcas que ganharam o ranking daquelas em que o público considera melhores para comprar estão a C&A com 70 por cento, seguida pela Riachuelo com 68 percentuais, Renner com 66 por cento, Marisa com 54 por cento e por fim da Hering com 45 percentuais.

De acordo com a gerente sênior de marketing da C&A, Mariana Moraes, a marca sempre teve um contato muito próximo com as clientes, mantendo-as no centro da estratégia. "Trabalhamos diariamente para atender as necessidades e desejos de cada consumidora, oferecendo a moda que ela quer, como e quando quiser, pois acreditamos que a moda é uma plataforma de expressão e experimentação das pessoas para o mundo. Oferecer uma jornada de compra completa e que integre os ambientes online e offline também é nosso objetivo. Neste sentido, a companhia direcionou os seus esforços e estratégia para a sua transformação digital, sobretudo no ano passado, com o lançamento e expansão de novos serviços e soluções digitais alinhados à jornada de compra, aproximando a marca do dia a dia das consumidoras. Acreditamos que este trabalho contínuo é fundamental para nos aproximarmos, cada vez mais, das brasileiras, “conclui.

Fotos: Pars Sahin, Blake Wisz/Unsplash e cortesia C&A