• Home
  • Notícias
  • Varejo
  • Pesquisa revela mudanças no comportamento de compras de vestuário

Pesquisa revela mudanças no comportamento de compras de vestuário

By Marta De Divitiis

10 de out. de 2019

Varejo

Efeito da crise econômica e o desemprego que abateu o Brasil recentemente, com as classes B, C e D perdendo seu poder de compra, o comportamento do consumidor, especialmente de vestuário, sofreu mudanças.

O IEMI - Inteligência de Mercado, Instituto de Estudos e Marketing Industrial - atualizou um estudo realizado em 2017 sobre o comportamento de compra do consumidor. A pesquisa, feita em agosto último, contou com as respostas de 1.250 consumidores em sua última compra, de todas as faixas etárias, poder de compra e regiões, segundo o release de divulgação.

Se em 2017 um bom atendimento e a variedade de produtos fazia o consumidor adquirir peças de roupas, hoje a decisão de compra se dá pelo preço mais baixo (38 por cento optaram por essa resposta, contra 34 percentuais da pesquisa de 2017). O bom atendimento caiu para quarto lugar (com 28 por cento), atrás de variedade (33 por cento) e qualidade dos produtos (30 percentuais). Segundo Marcelo Prado, diretor do IEMI, a retração econômica obrigou os compradores da classe C e D especialmente a reduzir os gastos de forma geral. Vale mencionar que a frequência de compra caiu de 6 para 5,6 em relação à pesquisa de 2017, exceto pelos clientes da classe A (para esses a frequência subiu de 8, para 8,8 compras médias anuais.)

As motivações também atestam os efeitos da crise econômica: 22 por cento disseram que a compra realizada foi para substituir uma peça antiga de roupa. Entre os homens, além da substituição ocasiões especiais como festas ou oferecer um presente os levaram a adquirir algum item de vestuário. Já as mulheres responderam que, além da substituição, gostariam de se sentir mais bonitas ou bem vestidas.

Momento de básicos

De acordo com Prado, o momento atual é o dos varejistas buscarem a chamada demanda reprimida, isto é itens mais básicos, orientados pelo preço mais acessível. “Enquanto estávamos no fundo do poço, só comprou quem tinha poder aquisitivo mais alto e se encantou com um produto de moda, mais bem acabado, com valor agregado e versátil. Hoje, quando o pior já passou, é hora de atender as necessidades das classes C e D, como por exemplo, roupas básicas para as crianças, que cresceram e já não podem continuar utilizando a mesma peça de roupa,”explica.

Boas perspectivas à frente

A começar pelo Dia da Criança, comemorado essa semana, seguida da Black Friday e logo após o Natal, o que se percebe é que há grandes possibilidades de melhora nas vendas do varejo de moda. Devemos levar em consideração também a liberação do FGTS que o governo autorizou. “Esses consumidores da classe C e D se beneficiarão dessa liberação, e é nesse momento que varejistas que tiverem um bom estoque poderão vender mais,”diz Prado. De acordo com ele embora 500 reais não pareça tão significativo, para as pessoas menos abastadas é um valor considerável.

Para Edmundo Lima, diretor executivo da ABVTEX - Associação Brasileira do Varejo Textil - essa liberação do fundo levará muitos consumidores a pagar dívidas e positivar o nome. Dessa forma, há a possibilidade de melhorar o varejo de moda uma vez que o consumidor estará habilitado ao crédito.”Ainda não dá para mensurar resultados, mas dá uma expectativa positiva em relação ao último trimestre,” diz ele. “Os indicadores econômicos estão melhorando, inclusive a diminuição do desemprego, o que leva a uma confiança maior do consumidor e com isso uma melhora nas vendas,” conclui o executivo.

Fotos: Parker Burchfield, Samantha Sophia/Unsplash